O golpe de estado no Paraguai

Por Davis Sena Filho - editor do Portal do Blog da Dilma

Lugo compôs com a direita, que usou a questão da terra como estopim do golpe


Lugo compôs demais com a direita e da direita foi vítima de um golpe “parlamentar”. A verdade é que se ele não aceitasse o processo de impeachment, seria derrubado à força, pelas armas, como aconteceu com o presidente trabalhista de Honduras, Manuel Zelaya”.

Os Estados Unidos são imperialistas, e tudo mundo sabe disso. Os chamados yankees sempre exercitaram seu poder internacional com a diplomacia do porrete. Preocupados com os avanços conquistados pelos países da América do Sul, no que tange à construção do Mercosul e da Unasul, o governo estadunidense ficou com a barba de molho quando o Brasil do presidente Lula e do chanceler Celso Amorim, juntamente com a Argentina de Cristina Kirschner e sua diplomacia, resolveram enterrar de vez o processo de ingresso na Alca, que, moribunda, acabou com a economia do México, país que há anos é governado por governantes conservadores e, portanto, cúmplices dos ditames dos Estados Unidos.
Eis que a América do Sul, depois de passar por uma década relativamente tranquila no que concerne à legalidade constitucional e ao respeito ao jogo democrático, começa a ter problemas graves e complexos em relação a essas questões, pois o governo de Barak Obama, apesar de ser Democrata, mostra-se açodadamente imperialista e com uma conduta de intervenção em questões internas de países sul-americanos de menor potencial no que se trata ao PIB e ao IDH, além da desconfiança natural e histórica em relação a países maiores como Brasil e Argentina, que lideram os blocos de defesa e econômico (Unasul e Mercosul) do Sul das Américas.
Chile e Colômbia sempre se comportaram, nas últimas décadas, como um entrave para a unificação política e econômica da América do Sul, como queriam os libertadores da América espanhola Simón Bolivar e José de San Martín na primeira metade do século XIX. Na maior parte do tempo administrados por governantes conservadores, esses dois países sempre nadaram contra a maré dos interesses da região e por isso criam barreiras e se aliam à política externa dos Estados Unidos, se eles tem uma, porque intervenção e invasão de países independentes e autônomos não é o que se pode considerar diplomacia civilizada.
Federico Franco: golpista pode ser sócio do Mercosul e barrar a Venezuela?



Os EUA, na verdade, nunca tiveram uma instituição diplomática da tradição e competência da Casa de Rio Branco, que é o Itamaraty, e por isso executam “políticas” de boicote à autodeterminação dos povos e à independência dos países periféricos em todo o planeta, com o claro objetivo de combater países emergentes como o Brasil e todos aqueles que optaram por uma política de sustentação de blocos econômicos e militares que visam, sobretudo, defender e atender os interesses dos países que compõem a América do Sul.
Entretanto, os obstáculos são altos e largos, porque os governos do Chile, da Colômbia e agora o do Paraguai se aliaram há muito tempo aos interesses dos norte-americanos, que tem enorme influência sobre os políticos, os banqueiros e o empresariado da agroindústria, especialmente os latifundiários, que, historicamente, financiam golpes de estado e cometem todo tipo de provocação, com o apoio e a cumplicidade dos sistemas midiáticos burgueses, que dão voz ativa às classes sociais dominantes, bem como repercutem negativamente as ações e as palavras de seus adversários, ao dar uma conotação de provocação, como aconteceu com o presidente progressista do Paraguai, Fernando Lugo, que tem fraquezas e defeitos, mas que foi eleito pela vontade do povo, nas urnas.
Dilma sabe que houve golpe no Paraguai, que deveria sair do Mercosul. E a legalidade?
Lugo compôs demais com a direita e da direita foi vítima de um golpe “parlamentar”. A verdade é que se ele não aceitasse o processo de impeachment, seria derrubado à força, pelas armas, como aconteceu com o presidente trabalhista de Honduras, Manuel Zelaya, que foi retirado de sua casa de madrugada, de pijama e expulso do País pelos militares para San José, capital da Costa Rica, único país da América Latina que consta na lista das 22 democracias mais antigas do mundo e que aboliu seu Exército em 1948.
Como se percebe, os juízes, os militares e os latifundiários de Honduras, país de tradição direitista, sabiam até para onde enviar o presidente deposto, que queria fazer plebescito para decidir sobre a instalação de uma assembléia constituínte, na qual o propósito era elaborar um nova constituiçao e, por conseguinte, fazer as reformas necessárias para o desenvolvimento do país.
A questão latifundiária contou para a queda do presidente Fernando Lugo, acusado, equivocadamente e premeditadamente, como o responsável por mortes no campo de policiais e de sem terra pelos juízes da maior Corte Judiciária do Paraguai, com a efetiva cooperação dos senadores, a maioria conservadora, latifundiária e aliada dos militares, que sempre interferiram no processo político do país guarani.
Bolivar ficaria estupefato com a subserviência de golpistas da América do Sul.
Fernando Lugo sofreu um golpe. Agora o Paraguai e sua elite econômica estão com o caminho mais aberto ainda (já estavam) para implantar a política neoliberal, de concentração de renda e riqueza e ausência de investimentos, tal qual o Chile, a Colômbia e em um passado recentíssimo o Peru, se não fosse o candidato nacionalista Ollanta Humala vencer a conservadora Keiko Fujimori e, por conseguinte, ser eleito o novo presidente do Peru, o que faz com que o país andino se afaste pelo menos da cartilha neoliberal de exploração e rapinagem imposta aos povos dos países que lutam para se tornarem independentes em um ambiente de justiça social e compromisso com a democracia burguesa. Burguesa, mas pelo menos democracia.
Ainda não está claro se o Peru vai participar, efetivamente, da associação dos países sul-americanos da costa do Pacífico, que querem fazer um contraponto ao Mercosul e à Unasul. Keiko Fujimori é nada mais e nada menos do que a filha de Alberto Fujimori, ex-presidente neoliberal do Peru, que governou o país durante dez anos (1990/2000), com mão de ferro, rasgou a Constituição e no momento se encontra preso, acusado de tortura, corrupção, tráfico de influência, abuso de poder e de genocídio. Fujimori derrotou o grupo guerrilheiro Sendero Luminoso, prendeu seu líder, o professor de filosofia Abimael Guzmán, e a partir daí os paramilitares que enfrentavam a guerrilha e setores do sistema de segurança passaram a realizar todo tipo de crime e abusos principalmente no interior do país, com a devida cumplicidade do senhor Fujimori, que de político eleito passou a ser ditador.
Chávez é demonizado pela imprensa, e luta pela união da América do Sul.
A grande questão e intenção da Casa Branca e da CIA é fazer com que a América do Sul não se una, pois, como define o velho adágio, a união faz a força. Para isso, os yankees acenam com promessas de investimentos na área de segurança (o que ocorre há algum tempo com a Colômbia de governos conservadores que enfrentam a guerrilha das Farcs), a incluir no pacote a instalação de bases militares em terreno colombiano, bem como tentam também assegurar a intenção em solo paraguaio, que com a posse do vice-presidente e ora presidente, Federico Franco, poderá ser concretizada.
Por sua vez, os EUA e seus falcões estão a conseguir, aos poucos, cercar os países que compõem o Mercosul cujos presidentes militam à esquerda do espectro ideológico. Dilma Rousseff, Cristina Kirschner, o deposto Fernando Lugo, José Mujica (Uruguai) e Hugo Chávez estavam a incomodar, e muito, os interesses geopolíticos e econômicos dos EUA na América do Sul. Para isso, necessário foi assegurar a constituição de uma politica agressiva de apoio aos políticos direitistas da região. Os EUA querem bases militares e nada mais.
E países como o Chile, que sempre, nas últimas décadas, traiu seus vizinhos da região, unem-se aos EUA, como se conduziu no passado com a Inglaterra na Guerra das Malvinas, a ceder bases e gasolina aos aviões ingleses, além de outros “favores” de logística e alimentação, que cooperaram bastante para que a Argentina tivesse ainda mais dificuldades para enfrentar as forças militares dos imperialistas, que tiveram também o decisivo apoio dos norte-americanos, que cederam satélites e armamento aos ingleses e, consequentemente, não honraram os acordos de autodefesa dos países americanos firmados na OEA..
Chávez é demonizado pela imprensa, e luta pela união da América do Sul.
Chile e Estados Unidos são como carne e unha. A Colômbia também, mas tem diferenças com os gringos quanto às bases militares e à intromissão em assuntos internos. Apesar de o atual presidente, Juan Manuel Santos, ser conservador, ele está luz de distância do ultradireitista Álvaro Uribe, que em seus oito anos de governo se aplicou a ter uma relação de embate com o Mercosul e a Unasul e principalmente com seu vizinho venezuelano Hugo Chávez. Juan Manuel Santos, apesar de ser correligionário de Uribe, é mais moderado e acenou, antes mesmo da sua posse, que estaria aberto ao diálogo, inclusive com Hugo Chávez, o que acalmou os ânimos no norte do continente.
Acontece que com a queda de Fernando Lugo neste mês e o golpe de estado contra Manuel Zelaya em 2009, cria-se uma enorme desconfiança quanto à estabilidade da democracia representativa (burguesa) e não popular na América do Sul. A imprensa comercial e privada já iniciou a defesa do golpe perpetrado pelo Judiciário e pelo Senado paraguaios contra o presidente Lugo. Guardiões do jornalismo de má-fé como Merval Pereira, Augusto Nunes e Reinaldo Azevêdo e especialista de prateleira da Globo News da estirpe do professor Marco Antônio Villa, da Universidade Federal de São Carlos, não medem consequência e desvirtuam a realidade, pois, de forma branda ou direta, defendem o golpe contra Lugo, como o fizeram com o presidente Zelaya.
Até hoje o hondurenho não voltou ao poder, porque os autores desses crimes contra as leis, a constituição são os aliados seculares e poderosos de sempre: os juízes, os militares, os latifundiários, os banqueiros e os políticos de direita, que apostam na ilegalidade, na imoralidade e na violência para manter seus privilégios de classe, seus negócios, a reboque de migalhas que o capitalismo yankee cede a eles e, em contrapartida, mantém seus interesses colonialistas intactos na América Latina, a qual, equivocadamente e soberbamamente, chamam de quintal.
Ollanta, nacionalista, sabe que o Peru é andino mas se interessa pelo Mercosul.
A aliança das burguesias latinas com os donos do capital mundial que vivem no norte das Américas é a pior realidade que os povos latinos americanos e os governantes trabalhistas e socialistas tem de enfrentar. Não é fácil governar em um sistema contaminado pelo pensamento de elites conservadoras e subservientes, fundamentalmente colonizadas, violentas com seus povos, refratárias à nacionalidade, dispostas a se aliar ao neocolonizador e possuidora de um imenso complexo de vira-lata. Derrubam os adversários e ultrajam o jogo democrático para manter os interesses do establishment em âmbito mundial.
É dessa forma que se comportam as elites e a imprensa brasileira, controlada pelos barões, que no passado se aliaram a estrangeiros e apoiaram golpes de estado, como o de 1964. Os barões reacionários que empregam jornalistas e comentaristas de prateleira para que eles defendam o indefensável, justifiquem o injustificável e qualifiquem o que é inqualificável, que é o caso do golpe de estado, que eles chamam de “parlamentar”, porque querem homens e mulheres de direita a ocupar cadeiras de presidentes da República na América do Sul e Latina mesmo se for de forma criminosa. E depois ficam a deitar falação sobre liberdade de imprensa e de expressão. Cinismo e má-fé na veia. É o fim da picada tanta trapaça e desfaçatez.
Hillary Clinton se conduz como um falcão, ave de rapina que apoia golpes.
Os Estados Unidos querem diminuir a influência do Brasil — potência regional cujo PIB é da ordem de US$ 3,4 trilhões — nas Américas do Sul e Central. Para isso, os “gringos”, como dizem os mexicanos, precisam de um contraponto contra a hegemonia brasileira. Os estadunidenses querem um bloco (neo)liberal, quase andino, voltado ao Pacífico, mas sem a presença e o apoio do Equador de Rafael Correa e da Bolívia de Evo Morales, que já avisaram que não reconhecem o governo do atual presidente do Paraguai, Federico Franco, filho da cruel oligarquia do país guarani. Franco, com sua cabeça oligarca e de direita, avisou que não gosta de Hugo Chávez e, portanto, vai manter a posição equivocada e presunçosa para um país pobre como o Paraguai de bloquear o ingresso da Venezuela, potência petrolífera, no Mercosul, realidade esta que acontecia com o esquerdista e deposto Fernando Lugo, que atendia à violenta oligarquia rural e militar do Paraguai.
Os líderes direitistas da América Latina querem formar um grupo econômico, que eles chamam de Bloco do Pacífico ou Área de Integração Profunda (AIP). Por trás desse bloco estão os Estados Unidos, que querem recuperar a influência perdida na região. A Colômbia tem se afastado um pouco dos yankees, porque até hoje eles não atenderam reivindicação dos colombianos que é firmar um acordo de livre comércio entre os dois países. Além disso, os norte-americanos preferem concretizar tratados bilaterais, que é uma forma de desunir os países da América do Sul. O presidente colombiano recentemente afirmou: “Precisamos fazer um contraponto ao Brasil, ao Mercosul e à Alba, esta última criação de Chávez que tem o apoio do Equador e da Bolívia. Mas o que importa é que os EUA querem a divisão para poder mandar e continuar com sua política externa de exploração e espoliação dos povos periféricos.
Não compreendo a política externa brasileira com o chanceler Antônio Patriota à frente. O respeito como diplomata, mas o considero pouco incisivo no que tange a defender os interesses do Brasil, do Mercosul e da Unasul. A Venezuela, há muito tempo, por sua importância política e econômica, deveria estar integrada ao Mercosul, independente da posição do Paraguai, cujos políticos confundem preconceito ideológico com o pragmatismo necessário para que possamos ter um bloco econômico cada vez mais forte e que cooperou, sem sombra de dúvida, para que a América do Sul não sentisse tanto a crise internacional que desde 2008 aflige a Europa e os EUA.
Apoiado pelos EUA, Fujimori está preso é acusado de genocídio. Neoliberal.
A presidenta Dilma Rousseff deveria ser mais dura com os golpistas do Paraguai, como o foram Lula e Celso Amorim no caso do golpe contra Manuel Zelaya. Só não fizeram mais porque não poderiam invadir Honduras. Contudo, a posição do Governo Lula foi franca, nada camaleônica e direta contra os golpistas, que até hoje lembram da posição diplomática do Brasil, País que, ao que parece, aprendeu com a história e por isso não tolera golpes de estado contra presidentes eleitos, como ocorreu aqui em 1964.
Apenas a direita aposta em aventuras pérfidas como essas, com o apoio irrestrito da imprensa burguesa e seus especialistas de prateleira. A Venezuela tem de ser parte do Mercosul e o presidente do Paraguai, filho da oligarquia, tem de ser chamado a atenção, porque dirigentes golpistas não podem ser sócios de países que respeitam o jogo democrático. O Brasil tem de fazer alguma coisa. A história de 1964 é muito triste. O golpe de estado no Paraguai é contra a América do Sul e a civilização. É isso aí.


Postagens mais visitadas