ELEIÇÕES 2010: PARA OS INDECISOS. RECORDEMOS:

Sobre o período do governo de FHC/SERRA/PSDB/ DEM...:

1) Levou o Brasil 3 vezes ao FMI em apenas 4 anos e que emprestou US$ 86,5 Bilhões do FMI/BID/Banco Mundial/Tesouro dos EUA;

2) Provocou o primeiro e único racionamento de energia elétrica de alcance nacional em muitas décadas e que durou 11 meses, provocando um prejuízo de R$ 45 bilhões ao país;

3) Emprestou dezenas de bilhões de Reais do BNDES a juros subsidiados para que grandes corporações privadas (nacionais e, principalmente, estrangeiras) comprassem as estatais a preço de banana e com ágios falsos (pois o dinheiro destes foi abatido do IR pago pelas empresas compradoras nos anos seguintes às privatizações);

4) Elevou a dívida pública de 30% do PIB para 51,3% do PIB;

5) Deixou uma taxa de desemprego de 10,5%;

6) Arrochou brutalmente os salários do funcionalismo público, que não foi reajustado uma única vez em 8 anos de governo;

7) Privatizou até a construção de escolas técnicas federais;
Dolarizou grande parte da dívida pública interna através da venda de R$ 240 bilhões em títulos cambiais a fim de manter o Real supervalorizado mesmo no seu segundo mandato;

9) Afundou a P-36, que produzia 180 mil barris de petróleo diariamente, gerando um prejuízo imenso para o país e para a Petrobras;

10) Reajustou a tabela do Imposto de Renda em apenas 17,5% (e somente em 2002) contra uma inflação acumulada de 100,6% (IPCA – inflação oficial) em 8 anos, aumentando fortemente a taxação sobre os assalariados e a classe média;

11) Criou a CPMF e elevou a cobrança da mesma para 0,38%;

12) Deixou o país com apenas US$ 16 bilhões de reservas internacionais líquidas, suficiente para pagar apenas 4 meses de importações;

13) Deixou o país com uma inflação anualizada de quase 40% segundo o IGP-M do 4o. trimestre de 2002;

14) Criminalizou os movimentos sociais, recusando-se totalmente a dialogar com os mesmos;

15) Entregou o Projeto Sivam para a Raytheon, empresa dos EUA intimamente relacionada ao governo ianque, embora a proposta da Thomsom (empresa francesa) fosse mais vantajosa para o Brasil;

16) Tentou mudar a CLT para reduzir substancialmente os direitos trabalhistas e isso somente não aconteceu porque o projeto foi rejeitado pelo Congresso Nacional;

17) Tentou alugar a Base de Alcântara para os EUA, incluindo itens no acordo que impediriam o acesso de brasileiros a certos locais da mesma;

18) Criou o Proer, que usou dinheiro público a fim de salvar bancos privados falidos, enquanto dizia que não havia dinheiro para investir em Educação, Saúde, Habitação e na área social em geral;

19) Procurou manipular os resultados dos leilões de privatizações a fim de beneficiar grandes empresas privadas aliadas do PSDB e do PFL, como ficou demonstrado no caso do ‘Grampo das Teles’;

20) Que elevou a taxa Selic para inacreditáveis 45% ao ano em Março de 1999 e que deixou uma taxa de juros de 25% ao ano no fim de 2002;

21) Comprou os votos de congressistas para mudar a Constituição em proveito próprio e poder se reeleger em 1998, dando um Golpe de Estado ‘branco’ no país;

22) Condecorou o Ditador do Peru, Alberto Fujimori, recentemente condenado a 25 anos de prisão pela Justiça do seu país por violações de direitos humanos;

23) Apoiou o Golpe de Estado contra Hugo Chávez em Abril de 2002.



O CANDIDATO JOSE SERRA SAIU DO ARMÁRIO, POIS:
Em abril/2010 o pré-candidato tucano à presidência da república, Jose Serra – PSDB -, apresentou seu ideário econômico, dizendo que o MERCOSUL atrapalha, quer acabar com a participação do BRASIL no bloco, que não vai continuar com o PAC e que pretende revisar todos os contratos federais durante o governo Lula. O tucano disse também que pretende “rever o papel” do BNDES na economia do país. Sua proposta conservadora, neoliberal aponta para eliminação do legado de Lula, a saber



a) o PAC não existe –‘é uma lista de obras’-- logo, não será continuado;

b) todos os contratos federais assinados durante o governo Lula serão revistos, logo, vai paralisar o Estado e o país;

c) o Mercosul só atrapalha; logo, vai desmontar a política externa que mudou a inserção subordinada e dependente do país herdada de FHC;

d) criticou a Funasa atual, logo, vai repetir o que fez quando foi ministro da Saúde de FHC,
entre 1998 a 2002. E o que fez condensa em ponto pequeno o que promete agora repetir em escala
amplificada, se for eleito.

A saúde quando Serra ministro. Lembremos.

I) Serra assumiu o ministério em 31 de março de 1998, em meio a uma epidemia de dengue;
prometeu uma guerra das forças da saúde contra a doença;

II) iniciou então o desmonte que ameaça agora repetir;

III) primeiro, ignorou as linhas de ação e planos iniciados por seu antecessor, o médico Adib Jatene;

IV) em nome de uma descentralização atabalhoada, transferiu responsabilidades da FUNASA,
Fundação Nacional de Saúde, o órgão executivo do ministério, para prefeituras despreparadas e
sem sincronia na ação;

V) Em junho de 1999, Serra demitiu 5.792 agentes sanitários contratados pela FUNASA em regime
temporário, acelerando o desmonte do órgão, em sintonia com a agenda do Estado mínimo;

VI) um mês depois, em 1º de julho de 1999, o procurador da República Rogério Nascimento pediu
à Justiça o adiamento da dispensa dos 5.792 mata-mosquitos até que as prefeituras pudessem
treinar pessoal; pedido ignorado por Serra.

VII) Em 5 de agosto de 1999, num despacho do processo dos mata-mosquitos, a juíza federal
Lana Maria Fontes Regueira escreveu: "Estamos diante de uma situação de consequências
catastróficas, haja vista a iminente ocorrência de dengue hemorrágica".

VIII) O epidemiologista Roberto Medronho, diretor do Núcleo de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro, completaria: "A descentralização da saúde não foi feita de forma bem planejada. O afastamento dos mata-mosquitos no Rio foi uma atitude irresponsável”

IX) em abril de 2001, a Coordenação de Dengue do município do Rio previu uma epidemia no verão
de 2002 com grande incidência de febre hemorrágica. A sugestão: contratar 1.500 agentes e comprar mais equipamentos de emergência; foi ignorada por Serra.

X) O ano de 2001 foi o primeiro em que os mata-mosquitos da Funasa, dispensados por Serra não
atuaram . A dengue, então, voltou de forma fulminante no Rio: 68.438 pessoas infectadas, mais
que o dobro das 32.382 de 1998, quando Serra assumiu o ministério.

XI) Em 2002, já candidato contra Lula, Serra era ovacionado em vários pontos do país aos gritos de 'Presidengue !'. Justa homenagem a sua devastadora atuação da saúde pública.



Fonte: Blog do Nassif, Correio da Cidadania.


Postagens mais visitadas